A Terra está implorando para você aceitar baterias EV menores

A humanidade não pode estar exatamente vencendo sua batalha para evitar as mudanças climáticas, mas a eletrificação dos carros já começa a parecer uma história de sucesso. Dez por cento dos novos veículos de passageiros vendidos em todo o mundo no ano passado eram elétricos, alimentados por baterias em vez de gasolina – cuja extração custa ao mundo não apenas em emissões nocivas de carbono, mas também em danos ambientais locais às comunidades na linha de frente.

Ainda assim, essa revolução tem seu próprio lado sujo. Se o objetivo é eletrificar tudo o que temos agora, o mais rápido possível – incluindo milhões de novos caminhões e SUVs com alcance semelhante aos modelos movidos a gasolina – haverá um aumento maciço na demanda por minerais usados ​​em baterias como lítio, níquel e cobalto. Isso significa muito mais buracos no solo – quase 400 novas minas até 2035, de acordo com uma estimativa da Benchmark Minerals – e muito mais poluição e destruição ecológica junto com eles. É por isso que um novo estudo publicado hoje por pesquisadores associados à UC Davis tenta traçar um caminho diferente, onde a descarbonização pode ser alcançada com menos danos e talvez mais rápido. Começa com menos carros.

A análise se concentra no lítio, um elemento encontrado em quase todos os projetos de baterias de carros elétricos. O metal é abundante na Terra, mas a mineração tem se concentrado em poucos lugares, como Austrália, Chile e China. E como outras formas de mineração, a extração de lítio é um negócio confuso. Thea Riofrancos, uma cientista política do Providence College que trabalhou no projeto de pesquisa, sabe como seriam centenas de novas minas no solo. Ela viu o que a queda do lençol freático perto de uma mina de lítio faz com as condições de seca no deserto do Atacama e como os grupos indígenas foram deixados de fora dos benefícios da extração enquanto foram colocados no caminho de seus danos.

Riofrancos e a equipe procuraram caminhos para carros movidos a gasolina, mas de uma forma que os substitua por menos EVs, usando baterias menores. Um futuro com milhões de eSUVs robustos e de longo alcance não é o padrão. Ainda assim, “o objetivo não é dizer ‘Nunca haverá uma nova mineração’”, diz Alissa Kendall, professora de engenharia civil e ambiental da UC Davis, coautora da pesquisa. Em vez disso, ela diz que os pesquisadores descobriram que “podemos fazer isso melhor” se as pessoas se tornarem menos dependentes de carros para se locomover.

A equipe traçou cinco caminhos para os EUA, cada um com foco em diferentes cenários para a demanda de lítio. Na primeira, o mundo segue o caminho que traçou para si mesmo: os carros se tornam elétricos, os americanos mantêm seu amor pelos grandes caminhões e SUVs, e o número de carros por pessoa permanece o mesmo. Poucas pessoas usam transporte público porque, francamente, a maioria dos sistemas continua a ser uma droga.

Os outros cenários modelam mundos com transporte público progressivamente melhor e infraestrutura para caminhadas e ciclismo. No mais verde deles, as mudanças na habitação e na política de uso do solo permitem que tudo – casas, lojas, empregos, escolas – se aproximem, diminuindo os deslocamentos e outras jornadas de rotina. Os trens substituem os ônibus, e a proporção de pessoas que possuem um carro cai drasticamente. Neste mundo, menos veículos elétricos novos serão vendidos em 2050 do que em 2021, e aqueles que saem do lote têm baterias elétricas menores, compostas principalmente de materiais reciclados, de modo que cada novo não precisa de mais mineração para sustentar isto.

Leave a Comment