Histórias de resistência ucraniana reveladas após retirada de Kherson


Kherson, Ucrânia
CNN

Dois soldados russos caminhavam por uma rua em Kherson em uma noite de primavera no início de março, poucos dias depois que Moscou capturou a cidade. A temperatura naquela noite ainda estava abaixo de zero e a energia havia acabado, deixando a cidade em completa escuridão enquanto os soldados voltavam para o acampamento depois de alguns drinques.

Enquanto um tropeçava, o outro parava para se aliviar na beira da calçada. De repente, uma faca foi enfiada profundamente no lado direito de seu pescoço.

Ele caiu na grama. Momentos depois, o segundo soldado russo, embriagado e inconsciente, teve o mesmo destino.

“Eu terminei o primeiro imediatamente e então alcancei o outro e o matei no local”, disse Archie, um combatente da resistência ucraniana que descreveu a cena acima para a CNN.

Ele diz que se moveu por puro instinto.

'Archie' matou dois soldados russos sozinho, dias depois de terem tomado Kherson.  Mais tarde, ele se juntou a outros guerrilheiros para formar um movimento de resistência coordenado.

“Vi os orcs uniformizados e pensei, por que não?”, acrescenta Archie, usando um termo pejorativo para os russos, enquanto caminha pela mesma rua. “Não havia pessoas ou luz e eu aproveitei o momento.”

O jovem de 20 anos é um lutador treinado em artes marciais mistas, com pés ágeis e reflexos aguçados, que antes sempre carregava uma faca para autodefesa, mas nunca matou ninguém. A CNN está se referindo a ele por seu indicativo de chamada para proteger sua identidade.

“A adrenalina cumpriu seu papel. Não tive medo nem tempo para pensar”, afirma. “Nos primeiros dias me senti muito mal, mas depois percebi que eles eram meus inimigos. Eles vieram à minha casa para tirar isso de mim.

A conta de Archie foi apoiada por fontes militares e de inteligência ucranianas que cuidavam das comunicações com ele e outros guerrilheiros. Ele foi um dos muitos combatentes da resistência em Kherson, uma cidade de 290.000 habitantes antes da invasão, que a Rússia tentou dobrar, mas não conseguiu quebrar.

As pessoas em Kherson deixaram suas opiniões claras logo depois que a Rússia assumiu a cidade em 2 de março, saindo para a praça principal para protestos diários, vestindo a bandeira ucraniana azul e amarela.

Mas Kherson, a primeira grande cidade e única capital regional que as tropas russas conseguiram ocupar desde o início da invasão, era um símbolo importante para Moscou. A dissidência não podia ser tolerada.

Os manifestantes foram recebidos com gás lacrimogêneo e tiros, os organizadores e os residentes mais francos foram presos e torturados. Quando as manifestações pacíficas não funcionaram, o povo de Kherson se voltou para a resistência e cidadãos comuns como Archie começaram a agir por conta própria.

“Eu não era o único em Kherson”, diz Archie. “Havia muitos guerrilheiros espertos. Pelo menos 10 russos eram mortos todas as noites.”

Inicialmente operações individuais, residentes com ideias semelhantes começaram a se organizar em grupos, coordenando suas ações com os militares ucranianos e a inteligência fora da cidade.

“Tenho um amigo com quem dirigíamos pela cidade em busca de reuniões de soldados russos”, diz ele. “Verificamos as rotas de patrulha e, em seguida, demos todas as informações aos caras da linha de frente e eles sabiam para quem passar a seguir.”

Os soldados russos não foram os únicos alvos de assassinato. Vários funcionários do governo instalados em Moscou foram alvos durante os oito meses da ocupação russa. Seus rostos foram impressos em cartazes espalhados pela cidade, prometendo retribuição por sua colaboração com o Kremlin, em uma guerra psicológica que durou toda a ocupação.

Muitas dessas promessas foram mantidas, com alguns desses funcionários mortos a tiros e outros explodidos em seus carros em incidentes que as autoridades locais pró-Rússia descreveram como “ataques terroristas”.

Archie foi preso pelas autoridades de ocupação em 9 de maio, após assistir a um desfile do dia da vitória, comemorando a vitória da União Soviética na Segunda Guerra Mundial, vestindo uma camiseta amarela e azul.

Ele foi levado para um centro de detenção pré-julgamento local que havia sido assumido pelo Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB) e usado para torturar soldados ucranianos, oficiais de inteligência e guerrilheiros, de acordo com Archie.

Ihor diz que enquanto estava detido neste centro de detenção russo, ele passava a maior parte do tempo olhando pela janela, sonhando acordado em escapar dos horrores lá dentro.

“Eles me bateram, me eletrocutaram, me chutaram e me espancaram com bastões”, lembra Archie. “Não posso dizer que me mataram de fome, mas não me deram muito o que comer.”

“Nada de bom aconteceu lá”, disse ele.

Archie teve a sorte de ser demitido depois de nove dias e depois de ser forçado a gravar um vídeo dizendo que havia concordado em trabalhar com os ocupantes russos. Seu relato sobre o que aconteceu na instalação foi confirmado por fontes militares ucranianas e outros detidos.

Mas muitos outros nunca partiram, de acordo com Archie e outros combatentes da resistência, bem como militares ucranianos e fontes de inteligência.

Ihor, que pediu à CNN para não revelar seu sobrenome para sua proteção, também foi detido na instalação.

A bandeira ucraniana agora está pendurada no topo de um centro de detenção usado pelas forças russas para prender e torturar soldados ucranianos, dissidentes e guerrilheiros.

“Fiquei preso aqui por 11 dias e durante todo esse tempo ouvi gritos vindos do porão”, diz o jovem de 29 anos. “As pessoas foram torturadas, espancadas com paus nos braços e nas pernas, aguilhões de gado, até mesmo ligadas a baterias e eletrocutadas ou afogadas em água.”

Ihor foi flagrado transportando armas e diz “felizmente” que só foi espancado.

“Cheguei depois da época em que as pessoas eram espancadas até a morte aqui”, lembra. “Fui esfaqueado nas pernas com um taser, eles usam como boas-vindas. Um deles perguntou por que eu havia sido preso e outros dois começaram a me bater nas costelas.”

Ihor e outros guerrilheiros ajudaram as forças ucranianas a se concentrarem neste armazém, onde as forças russas haviam estacionado meios militares, e alvejá-lo com artilharia.

Por meio de sua detenção, Ihor conseguiu esconder que era membro da resistência Kherson e que transportar armas não era a única coisa que fazia. Ihor diz que também forneceu inteligência aos militares ucranianos – uma atividade que teria incorrido em uma punição muito mais brutal.

“Se encontrássemos algo, víssemos, (nós) tirássemos uma foto ou um vídeo (e) enviássemos para as forças ucranianas e então eles decidiriam se iriam atingi-lo ou não”, explica ele.

Entre as coordenadas que ele comunicou aos militares ucranianos está um armazém na cidade de Kherson. “Os militares russos mantinham entre 20 e 30 veículos aqui, havia caminhões blindados, veículos blindados de transporte de pessoal e alguns russos moravam aqui”, diz Ihor.

As forças russas que partiram foram rápidas em esvaziar o que restava do valioso interior, mas o prédio destruído carrega as marcas do violento ataque. A maior parte do telhado desabou, suas paredes estão estilhaçadas e o vidro quebrado ainda cobre a maior parte do chão. A estrutura permanece no local, mas em partes seu metal foi mutilado pela explosão.

Ihor filmou este armazém usado pelas forças russas enquanto passava por ele, fingindo estar fazendo uma ligação.  Suas informações ajudaram as forças ucranianas a alvejá-lo e destruí-lo.

Ihor usou o aplicativo de mensagens Telegram para comunicar as coordenadas do prédio ao seu comandante militar, a quem ele chamava de “a fumaça”. Junto com as informações, ele enviou um vídeo que gravou secretamente.

“Liguei a câmera, apontei para o prédio e depois fui andando e falando ao telefone enquanto a câmera filmava”, explica. “Depois apaguei o vídeo, claro, porque se eles me parassem em algum lugar e verificassem meus vídeos e fotos, haveria perguntas…”

Ele enviou a informação em meados de setembro e, apenas um dia depois, a instalação foi alvo da artilharia ucraniana.

Os Estados Unidos e a OTAN avaliaram que, quando a Rússia iniciou a invasão da Ucrânia, o Kremlin esperava que suas forças fossem recebidas como salvadoras, recebidas de braços abertos. A realidade não correspondeu às expectativas, não apenas nos territórios onde os exércitos de Moscou foram rechaçados, mas também nas áreas que conseguiu tomar.

A greve no armazém em que Ihor ajudou é uma das muitas facilitadas por guerrilheiros ucranianos dentro de Kherson trabalhando incansavelmente e sob ameaça de interromper as atividades russas na cidade.

Oito meses depois de ter sido ocupada pela Rússia, a cidade de Kherson está agora de volta às mãos dos ucranianos e os exércitos de Moscou estão em desvantagem, forçados a se retirar da margem ocidental do rio Dnipro.

Mas, apesar de ter conquistado a vitória aqui, a Ucrânia continua enfrentando ataques de mísseis incapacitantes quase que diariamente em quase todos os outros lugares, enquanto as forças russas continuam pressionando no leste.

Olhando para trás, Ihor, pai de uma filha de três meses, diz que teve sorte de não ter sido pego.

“Não foi difícil, mas foi perigoso”, explica ele. “Se eles me pegassem filmando tal coisa, eles me prenderiam e provavelmente não me deixariam sair vivo.”

Leave a Comment