Jogador de futebol iraniano é preso em meio a escrutínio da Copa do Mundo

DUBAI, Emirados Árabes Unidos (AP) – O Irã prendeu um proeminente ex-membro de sua seleção nacional de futebol na quinta-feira por suas críticas ao governo enquanto as autoridades lidam com protestos em todo o país que lançaram uma sombra sobre sua competição na Copa do Mundo.

As agências de notícias semioficiais Fars e Tasnim relataram que Voria Ghafouri foi preso por “insultar a seleção nacional de futebol e fazer propaganda contra o governo”.

Ghafouri, que não foi escolhido para ir à Copa do Mundo, tem sido um crítico ferrenho das autoridades iranianas ao longo de sua carreira. Ele se opôs à proibição de longa data de mulheres como espectadoras em partidas de futebol masculino, bem como à política externa de confronto do Irã, que levou a sanções ocidentais incapacitantes.

Mais recentemente, ele expressou simpatia pela família de uma mulher de 22 anos cuja morte enquanto estava sob custódia da polícia de moralidade do Irã iniciou os últimos protestos. Nos últimos dias, ele também pediu o fim da repressão violenta aos protestos na região ocidental do Curdistão iraniano.

Os relatos de sua prisão vieram antes da partida da Copa do Mundo de sexta-feira entre Irã e País de Gales. Na partida de abertura do Irã, uma derrota por 6 a 2 para a Inglaterra, os membros da seleção iraniana se recusaram a cantar junto com o hino nacional e alguns torcedores expressaram apoio aos protestos..

Os protestos foram iniciados pela morte em 16 de setembro de Mahsa Amini, uma mulher curda presa pela polícia moral na capital, Teerã. Eles rapidamente se transformaram em manifestações nacionais pedindo a derrubada da República Islâmica. A região curda ocidental do país, de onde vêm Amini e Ghafouri, tem sido o epicentro dos protestos. As lojas foram fechadas na região na quinta-feira após convocações para uma greve geral.

As autoridades iranianas não disseram se o ativismo de Ghafouri foi um fator para não escolhê-lo para a seleção nacional. Ele joga pelo time Khuzestan Foolad na cidade de Ahvaz, no sudoeste do país. O presidente do clube, Hamidreza Garshasbi, renunciou na quinta-feira, informou a agência de notícias semioficial ILNA, sem dar mais detalhes.

Os protestos não mostram sinais de diminuição e marcam um dos maiores desafios aos clérigos governantes do Irã desde a Revolução Islâmica de 1979, que os levou ao poder. Grupos de direitos humanos dizem que as forças de segurança usaram munição real e atiraram em pássaros contra os manifestantes, além de espancá-los e prendê-los, com grande parte da violência capturada em vídeo.

Pelo menos 442 manifestantes foram mortos e mais de 18.000 detidos desde o início dos distúrbios, de acordo com o Human Rights Activists in Iran, um grupo que monitora os protestos.

O Conselho de Direitos Humanos da ONU votou na quinta-feira para condenar a repressão e criar uma missão independente de apuração de fatos para investigar supostos abusos, particularmente aqueles cometidos contra mulheres e crianças.

As autoridades culparam potências estrangeiras hostis, sem fornecer provas, e dizem que separatistas e outros grupos armados atacaram as forças de segurança. Ativistas de direitos humanos no Irã dizem que pelo menos 57 funcionários de segurança foram mortos, enquanto a mídia estatal relatou um número maior.

Os manifestantes dizem que estão fartos de décadas de repressão social e política, incluindo um rígido código de vestimenta imposto às mulheres. As mulheres jovens desempenharam um papel de liderança nos protestos, retirando o véu islâmico obrigatório para expressar sua rejeição ao governo clerical.

Alguns iranianos estão torcendo ativamente contra seu próprio time na Copa do Mundo, associando-o a governantes que consideram violentos e corruptos. Outros insistem que a seleção nacional, que inclui jogadores que se manifestaram nas redes sociais em solidariedade aos protestos, representa o povo do país.

A estrela do time, Sardar Azmoun, que tem falado sobre os protestos online, estava no banco durante a partida de abertura. Além de Ghafouri, outros dois ex-astros do futebol foram presos por expressar apoio aos protestos.

Outros atletas iranianos também foram atraídos para a luta.

O alpinista iraniano Elnaz Rekabi competiu sem usar o lenço de cabeça obrigatório em uma competição internacional na Coreia do Sul em outubro, um movimento amplamente visto como uma expressão de apoio aos protestos. Ela recebeu as boas-vindas de um herói dos manifestantes ao retornar ao Irã, mesmo quando ela disse à mídia estatal que a mudança foi “não intencional” em uma entrevista que pode ter sido dada sob coação.

No início deste mês, a federação de futebol do Irã ameaçou punir os jogadores de seu time de futebol de praia depois de derrotar o Brasil em uma competição internacional em Dubai. Um dos jogadores comemorou depois de marcar um gol, imitando uma manifestante cortando o cabelo.

Leave a Comment