Jogar videogame durante todo o verão não prejudicará sua saúde mental

Os videogames não estão prejudicando a saúde mental das pessoas e não estão ajudando. Na verdade, eles não fazem muito para mover a agulha, de acordo com um novo estudo com dezenas de milhares de jogadores.

Durante anos, formuladores de políticas e órgãos de saúde pública expressaram preocupação com o potencial dos videogames de viciar ou prejudicar a saúde mental. Este estudo, publicado na revista Ciência Aberta da Royal Society, oferece um dos olhares mais abrangentes sobre a relação entre videogames e bem-estar. Ele se baseia em pesquisas anteriores da mesma equipe que também não encontraram efeitos ruins na saúde mental.

A equipe de pesquisa trabalhou com editores de videogames para recrutar quase 39.000 pessoas que jogou um dos sete jogos: Animal Crossing: Novos Horizontes, Apex Legends, Eva Online, Forza Horizonte 4, Grande esporte de turismoe A Tripulação 2. Os editores de jogos forneceram dados de jogo para os participantes ao longo de seis semanas, e os pesquisadores entrevistaram os participantes três vezes.

Como a equipe foi capaz de examinar os dados de jogo do jogador, eles não precisaram confiar no auto-relato do jogador sobre a quantidade de tempo que passaram jogando – então a equipe conseguiu obter uma leitura mais precisa do tempo de jogo. O estudo mediu o bem-estar usando duas ferramentas: a escala de experiências positivas e negativas, que pede às pessoas que classifiquem com que frequência experimentaram sentimentos como “feliz” e “medo”, e a escala de auto-ancoragem Cantril, que pede às pessoas que digam onde eles estão em uma escada com o topo representando sua melhor vida possível.

O estudo também pediu que as pessoas participassem da pesquisa Player Experience of Need Satisfaction, que rastreia a experiência das pessoas com jogos específicos – rastreando coisas como sua percepção de autonomia e suas motivações para jogar o jogo.

A análise descobriu que passar mais ou menos tempo jogando não teve um impacto negativo ou positivo em como as pessoas se sentiam. Por outro lado, como as pessoas se sentiam não teve um grande impacto em quanto tempo as pessoas passavam jogando.

Qualquer papel que os videogames tenham em distorcer o bem-estar que apareceu no estudo foi muito pequeno para ter um impacto no mundo real sobre como as pessoas se sentem, disseram os autores. As pessoas teriam que jogar por 10 mais horas por dia do que sua linha de base para perceber mudanças em seu bem-estar, segundo o estudo.

O estudo encontrou algumas evidências, no entanto, de que as motivações das pessoas para jogar e sua experiência em jogá-los tiveram um impacto um pouco maior no bem-estar. Quando as pessoas jogavam porque queriam, seu bem-estar era melhor do que quando as pessoas jogavam porque se sentiam compelidas. Ainda assim, esses relacionamentos eram pequenos e não está claro se essas motivações teriam um impacto perceptível para os jogadores.

Ainda há mais a aprender sobre como os videogames afetam a forma como as pessoas se sentem e como elas se comportam, observaram os autores do estudo. Esta análise analisou apenas um punhado dos milhares de jogos no mercado. Os pesquisadores ainda precisam examinar como as motivações para jogar e a qualidade da jogabilidade podem mudar as experiências das pessoas. Eles também precisam descobrir se certas pessoas têm características que as tornam mais ou menos suscetíveis a mudanças no bem-estar.

“Sabemos que precisamos de muito mais dados de jogadores de muito mais plataformas para desenvolver o tipo de compreensão mais profunda necessária para informar políticas e moldar conselhos para pais e profissionais médicos”, disse o autor do estudo, Andrew Przybylski, pesquisador sênior do Oxford Internet Institute. em um comunicado.

Leave a Comment