Jóias afundadas, tesouro enterrado descoberto nas Bahamas do icônico naufrágio espanhol do século XVII

NOVOAgora você pode ouvir os artigos da Fox News!

Fale sobre um achar.

Um tesouro de joias, medalhões e artefatos históricos foi descoberto nas Bahamas que remontam ao lendário naufrágio Maravillas do século XVII – e o público está prestes a dar uma olhada nele.

Nuestra Señora de las Maravillas (Nossa Senhora das Maravilhas), um galeão espanhol de dois decks, afundou em 4 de janeiro de 1656, perto do Little Bahama Bank, no norte das Bahamas, em uma viagem de Cuba para Sevilha.

Ele carregava inúmeros tesouros, tanto de impostos reais quanto de propriedade privada.

EQUIPE DE REMO FEMININO QUEBRA RECORDE MUNDIAL EM CORRIDA ATRAVÉS DO PACÍFICO

O navio de 891 toneladas afundou depois de colidir com sua nau capitânia.

Ele atingiu um recife 30 minutos depois – e finalmente afundou.

Uma ilustração do galeão espanhol Nossa Senhora das Maravilhas, que afundou em 1656.

Uma ilustração do galeão espanhol Nossa Senhora das Maravilhas, que afundou em 1656.
(Exploração Allen)

Os restos do navio foram espalhados por várias milhas através do oceano, sem nenhuma porção significativa do navio deixada para trás.

Por mais de 360 ​​anos, arqueólogos e aventureiros tentaram localizar os destroços que se perderam nos destroços.

E enquanto grande parte do tesouro – cerca de 3,5 milhões de peças, de oito – foi recuperada entre 1656 e o ​​início da década de 1990, a tecnologia moderna, como magnetômetros de alta resolução, GPS aprimorado e detecção de metais, permitiu que a Allen Exploration trouxesse para o riquezas superficiais além da imaginação.

Um explorador segura uma moeda de ouro encontrada nas Bahamas enquanto um barco Allen Exploration pode ser visto à distância.

Um explorador segura uma moeda de ouro encontrada nas Bahamas enquanto um barco Allen Exploration pode ser visto à distância.
(Brendan Chavez/Allen Exploration)

Em entrevista à Fox News Digital, o fundador da Allen Exploration, Carl Allen, disse que ele e sua equipe começaram a extrair artefatos preciosos em julho de 2020 perto de Walker’s Cay.

VETERANOS MILITARES PRESERVAM RECIFES DE CORAL EM MISSÃO ÚNICA DE MERGULHO DA FLÓRIDA

Ferramentas de alta tecnologia, além da permissão oficial concedida pelo governo das Bahamas para vasculhar a área do norte das Bahamas – conhecida por ser um ponto de destroços – fizeram descobertas “bastante surpreendentes”, disse o empresário.

“Recuperamos milhares de artefatos”, disse ele.

Uma frota da Allen Exploration é mostrada nas águas das Bahamas.

Uma frota da Allen Exploration é mostrada nas águas das Bahamas.
(Brendan Chavez/Allen Exploration)

“Canhões, âncoras, esmeraldas e ametistas… Temos cerca de 3.000 moedas de prata e 25 moedas de ouro”, disse ele.

A água na área atinge apenas 15 metros de profundidade, enquanto a areia pode enterrar tesouros até 6 metros, revelou ele.

No entanto, isso não impediu Allen de provar que seus céticos estavam errados e descobrir tesouros que o deixaram sem fôlego.

O fundador da Allen Exploration, Carl Allen, mostrado com sua esposa, Gigi, segura uma ametista encontrada em um local de destroços nas Bahamas.

O fundador da Allen Exploration, Carl Allen, mostrado com sua esposa, Gigi, segura uma ametista encontrada em um local de destroços nas Bahamas.
(Matthew Rissell/Exploração Allen)

“Quando peguei o primeiro item valioso, perdi o fôlego”, disse ele. “Eu não conseguia respirar.”

“Eu estive pensando sobre isso a minha vida toda.”

As descobertas fascinantes também incluem jarros de azeitonas espanholas, porcelana chinesa e cordame de ferro, de acordo com um comunicado de imprensa da AllenX.

QUANTIDADE RECORDE DE ALGAS ESTÁ ASFUGANDO AS COSTAS DO CARIBE

A equipe também descobriu um cabo de espada de prata pertencente ao soldado Don Martin de Aranda y Gusmán; o item ajudou as equipes a identificar esses tesouros como pertencentes aos Maravillas afundados.

Um pingente dourado com a Cruz de Santiago foi desenhado em forma de concha de vieira.

Quatro pingentes usados ​​por membros da sagrada Ordem de Santiago, um bando religioso de cavaleiros ativos no comércio marítimo espanhol, também foram recuperados.

AllenX considerou as joias da Ordem de Santiago como a “estrela” encontrada até agora.

Um pingente dourado com a Cruz de Santiago foi desenhado em forma de concha de vieira.

É reforçado pelo que parece ser uma pedra de bezoar indiana – uma famosa pedra europeia conhecida por suas propriedades curativas.

Um pingente dourado parece estar segurando uma pedra bezoar indiana.

Um pingente dourado parece estar segurando uma pedra bezoar indiana.
(Nathaniel Harrington/Exploração Allen)

Outro pingente de ouro guarda a mesma cruz sobrepondo uma grande esmeralda colombiana ovular.

Três correntes de ouro foram recuperadas, incluindo uma corrente de filigrana de ouro de 887 gramas composta por 80 elos circulares e decorada com motivos de roseta de quatro lóbulos, provavelmente trabalhada nas Filipinas, disse o grupo.

Um pingente dourado com a Cruz de Santiago foi desenhado em forma de concha de vieira.

AllenX indicou que não existem réplicas exatas da cadeia de outras escavações em coleções de museus ou como visto em retratos espanhóis.

Esta corrente de filigrana de ouro de 887 gramas, composta por 80 elos circulares e decorada com motivos de roseta de quatro lóbulos, provavelmente foi trabalhada nas Filipinas.

Esta corrente de filigrana de ouro de 887 gramas, composta por 80 elos circulares e decorada com motivos de roseta de quatro lóbulos, provavelmente foi trabalhada nas Filipinas.
(Nathaniel Harrington/Exploração Allen)

O arqueólogo da Allen Exploration, Jim Sinclair, disse à Fox News Digital que esses artefatos revelam como as pessoas viviam no período colonial e no Novo Mundo.

Como um arqueólogo de 40 anos e como um explorador original de naufrágios icônicos como o Titanic, Sinclair disse que uma recuperação como a do Maravillas reflete um “salto incrível” na tecnologia.

O arqueólogo também considerou a análise de artefatos um “desenvolvimento muito bom” em termos de detecção do comportamento humano e da história.

TUBARÃO BRANCO DE 1.400 LIBRAS ACHADO PERTO DE MYRTLE BEACH

Embora o valor desses artefatos provavelmente chegue a milhões de dólares, os itens não têm preço, disse Bill Springer, porta-voz da Allen Exploration.

Nenhuma das descobertas da Allen Exploration será colocada em leilão ou à venda.

Em vez disso, os achados farão parte de uma exposição no Bahamas Maritime Museum da Allen Exploration, localizado no Port Lucaya Marketplace, em Freeport.

BARCO PARA MIAMI VIRA NA COSTA DAS BAHAMAS

O museu está programado para abrir no sábado, 6 de agosto de 2022.

Ele revelará outras exposições sobre a história marítima nas Bahamas, bem como o comércio transatlântico de escravos e o povo lucaiano.

Apenas 45 sobreviventes

A exposição Maravillas também mostra a história do desaparecimento do navio.

Dos cerca de 650 passageiros que estavam a bordo do navio, apenas 45 sobreviveram.

Nenhum resto humano foi localizado.

Mergulhadores são mostrados cavando um tesouro enterrado no fundo do mar – o local de um naufrágio nas Bahamas.

Mergulhadores são mostrados cavando um tesouro enterrado no fundo do mar – o local de um naufrágio nas Bahamas.
(Chad Bagwell/Exploração Allen)

O naufrágio foi um “golpe tremendo”, explicou Allen, já que a Espanha na época estava com dificuldades financeiras e o barco estava lotado de objetos de valor.

Foi um dos maiores navios de tesouro que já deixou as Índias – e é por isso que Allen disse que espera que mais artefatos sejam descobertos ainda.

O “filão-mãe” ainda não foi descoberto.

O “filão-mãe” ainda não foi descoberto, indicou; e quando for, ele disse que o transporte seria “extremamente valioso”.

“O manifesto geralmente nesses navios antigos, muitas vezes – era apenas cerca de metade do que estava no navio porque havia muito contrabando”, disse ele.

“Então, é isso que é emocionante.”

Mergulhadores exploram um local de destroços nas Bahamas.

Mergulhadores exploram um local de destroços nas Bahamas.
(Brendan Chavez/Allen Exploration)

Junto com o lançamento do museu, Allen está promovendo sua paixão pela descoberta e educação desenvolvendo programas de arqueologia subaquática para crianças das Bahamas.

“O grande problema é que [the debris] não vai ficar lá para sempre”, disse ele.

“E é um playground de naufrágios.”

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O APLICATIVO FOX NEWS

“Então, eu criei um caminho para outras pessoas fazerem isso – e eu o congratulo.”

O Museu Marítimo das Bahamas da Allen Exploration em Freeport, Grand Bahama, abre em 6 de agosto de 2022.

Leave a Comment