Juiz federal nega pedido de Mike Lindell para recuperar telefone apreendido pelo FBI

O juiz Eric Tostrud disse que Lindell, CEO da My Pillow e importante apoiador das falsas alegações de fraude eleitoral do ex-presidente Donald Trump, não provou que seus direitos foram violados. Tostrud, que é indicado por Trump, também disse que Lindell não respondeu adequadamente às perguntas legais necessárias para fazer tal solicitação.
Lindell alegou que a recente apreensão de seu telefone pelo FBI pode ter sido uma busca ilegal – onde ele foi questionado sobre o que ele sabia sobre as eleições de 2020 e as máquinas eleitorais no Colorado – sem ser explicado adequadamente seus direitos ou ter permissão para deixar o drive-thru sem entregar o telefone.

O Departamento de Justiça obteve um mandado, aprovado por um juiz federal, para realizar a busca, de acordo com os autos do tribunal.

O desafio de Lindell seguiu outros de proeminentes apoiadores e conselheiros de Trump, que tiveram seus próprios telefones apreendidos em investigações relacionadas a 6 de janeiro de 2021 e às eleições de 2020. Desafios de tais apreensões têm falhado rotineiramente em conseguir que um tribunal intervenha.

Lindell não foi acusado de nenhum crime.

As autoridades federais do Colorado estão investigando a violação do sistema de votação de um condado como parte dos esforços para subverter os resultados das eleições de 2020, de acordo com documentos de intimação obtidos pela CNN.

Os registros, obtidos recentemente pela CNN, mostraram que o Departamento de Justiça está reunindo evidências relacionadas a três crimes em potencial no Condado de Mesa, Colorado: roubo de identidade, dano intencional a um computador protegido e/ou conspiração para cometer qualquer um deles.

A investigação parece estar analisando possíveis crimes separados da investigação criminal federal de 6 de janeiro de 2021 sobre a tentativa de anular o resultado da eleição por acólitos de Trump no final de 2020 e início de 2021.

Leave a Comment