Nicarágua tira sinal espanhol da CNN do ar

Ele não explicou por que removeu o serviço em espanhol da CNN e não respondeu ao pedido de comentário da CNN. As operadoras de cabo que transportam a CNN en Español no país também não comentaram.

“Hoje o governo da Nicarágua retirou nosso sinal de televisão, negando aos nicaraguenses notícias e informações de nossa rede de televisão, na qual eles confiam há 25 anos”, disse o serviço norte-americano em comunicado.

O governo da Nicarágua sob o quinto mandato do presidente Daniel Ortega reprimiu fortemente tanto a imprensa quanto os críticos nos últimos dois anos. Muitos jornalistas nicaraguenses foram forçados ao exílio e “praticamente não há mídia independente no país”, segundo o grupo de liberdade de imprensa Repórteres sem Fronteiras.

“A CNN en Español era o único meio de comunicação remanescente crítico do presidente Daniel Ortega disponível para os nicaraguenses”, informou a Reuters na quinta-feira.

“Tirar o sinal da CNNE do ar é um sinal de medo, falta de jeito e arrogância. Eles querem uma sociedade de ovelhas que só ouvirá e obedecerá à narrativa oficial”, tuitou Arturo McFields, ex-embaixador da Nicarágua na Organização das Nações Estados.

Líder da oposição nicaraguense Suazo condenado a 10 anos de prisão
Nos últimos meses, a CNN en Español noticiou outros exemplos de repressão do governo Ortega, incluindo a detenção de um bispo católico investigado por atividades “desestabilizadoras e provocativas”, depois que ele se opôs ao fechamento de sete estações de rádio católicas ligadas ao bispo no país.

Os nicaraguenses podem continuar encontrando notícias em espanhol em seu site, disse o serviço.

“A CNN defende os relatórios de nossa rede e nosso compromisso com a verdade e a transparência”, afirmou. “Na CNN en Español, acreditamos no papel vital que a liberdade de imprensa desempenha em uma democracia saudável.”

Em março, McFields emitiu raras críticas públicas ao seu próprio governo, rotulando o regime de Ortega de “ditadura” e citando sua repressão à mídia, entre outras coisas.

“Desde 2018, a Nicarágua se tornou o único país da América Central que não tem jornais impressos. Não há liberdade para publicar um simples tweet, [or posting] um simples comentário nas redes sociais”, disse ele na época.

“Não há organizações de direitos humanos… Todas foram fechadas, expulsas ou fechadas. Não há partidos políticos independentes, não há eleições confiáveis, nem separação de poderes”, continuou.

Mais tarde, a mídia estatal da Nicarágua postou uma carta no Twitter dizendo que McFields não representava o governo de Ortega.

Leave a Comment