Ucrânia luta para restaurar energia enquanto milhões enfrentam apagões | Guerra Rússia-Ucrânia Notícias

A Ucrânia tem lutado para reconectar os serviços de água e eletricidade a milhões de pessoas depois que uma enxurrada de mísseis e drones russos atingiu a infraestrutura de energia na quarta-feira, deixando quase 80% do país no escuro.

Na noite de quinta-feira, mais de 24 horas depois que os ataques russos atingiram áreas de Kyiv, o prefeito da cidade, Vitali Klitschko, disse que 60% das residências ainda sofriam interrupções de emergência. Com as temperaturas caindo abaixo de zero, as autoridades de Kyiv disseram que conseguiram restaurar os serviços de água, mas ainda estão trabalhando para reativar as luzes e o aquecimento.

“A impressão muito forte é que os russos estão guerreando contra a infraestrutura civil”, disse Jan Egeland, secretário-geral do Conselho Norueguês de Refugiados, em comunicado na quinta-feira.

“A população civil não pode aguentar um inverno inteiro sem eletricidade, calor e água corrente. E agora é um ponto de ruptura”, disse ele, referindo-se aos ataques contínuos à rede elétrica por Moscou.

O sistema de energia na Ucrânia está à beira do colapso e milhões foram submetidos a apagões de emergência nas últimas semanas, quando a Rússia atacou instalações de energia em um aparente esforço para forçar a capitulação após nove meses de guerra que viram suas forças falharem na maior parte de seus objetivos territoriais declarados.

Vista do espaço, a Ucrânia se tornou uma mancha escura no globo à noite, mostraram imagens de satélite divulgadas pela NASA.

A Organização Mundial da Saúde alertou para as consequências “com risco de vida” e estimou que milhões poderiam deixar suas casas como resultado, enquanto a embaixadora dos Estados Unidos nas Nações Unidas, Linda Thomas-Greenfield, disse que o presidente russo, Vladimir Putin, estava “claramente armando o inverno”. para infligir imenso sofrimento ao povo ucraniano”.

O presidente russo “tentará congelar o país até a submissão”, disse ela na quarta-feira.

Rússia nega ataques

Os ataques de quarta-feira desconectaram três usinas nucleares ucranianas da rede nacional e provocaram apagões na vizinha Moldávia, onde a rede de energia está ligada à da Ucrânia. A energia estava quase inteiramente de volta na ex-soviética Moldávia na quinta-feira.

Todas as três instalações nucleares foram reconectadas na manhã de quinta-feira, disse o ministério de energia da Ucrânia.

Ihor Terekhov, prefeito da segunda maior cidade da Ucrânia, Kharkiv, perto da fronteira com a Rússia, disse que a água está sendo restaurada nas casas.

“Reiniciamos as fontes de alimentação. Acredite, foi muito difícil”, disse.

Trabalhador ucraniano do Departamento de Saúde de Kyiv se afasta após coletar água da chuva de um cano de esgoto em Kyiv.
Kateryna Luchkina, uma funcionária de 31 anos do Departamento de Saúde de Kyiv, se afasta após coletar água da chuva de um cano de esgoto em Kyiv. [John Leicester/AP Photo]

Mas ainda houve interrupções em todo o país e o banco central alertou que as interrupções podem prejudicar as operações do banco.

Uma nova rodada de ataques na quinta-feira matou pelo menos quatro pessoas na cidade de Kherson, no sul, recentemente recapturada pela Ucrânia, disse um alto funcionário local.

A Ucrânia acusou as forças russas de enviar cerca de 70 mísseis de cruzeiro e drones em ataques que deixaram 10 mortos e cerca de 50 feridos na quarta-feira.

Mas o Ministério da Defesa da Rússia negou ter atacado em qualquer lugar dentro de Kyiv, insistindo que os sistemas de defesa aérea ucranianos e estrangeiros causaram os danos.

“Nem um único ataque foi feito contra alvos dentro da cidade de Kyiv”, afirmou.

‘Crime contra a humanidade’

O Kremlin disse que a Ucrânia foi a responsável final pelas consequências dos ataques e poderia acabar com eles ao concordar com as exigências de Moscou.

A Ucrânia “tem todas as oportunidades para resolver a situação, cumprir as exigências da Rússia e, como resultado, acabar com todo sofrimento possível da população civil”, disse o porta-voz Dmitry Peskov.

Mas o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, disse que a estratégia da Rússia de destruir a infraestrutura de energia não enfraqueceria a determinação de seu país de recapturar os territórios ocupados por Moscou.

“Devemos devolver todas as terras… porque acredito que o campo de batalha é o caminho quando não há diplomacia”, disse Zelenskyy ao Financial Times.

Na quarta-feira, Zelenskyy chamou os ataques russos de “crime contra a humanidade” em um vídeo dirigido ao Conselho de Segurança da ONU.

Um residente de Kyiv, falando com Rory Challands da Al Jazeera, ecoou os sentimentos de Zelenskyy.

“Não conheço ninguém que esteja disposto a negociar com os russos apenas por causa desses ataques”, disse Alyona Piskun.

As tropas russas sofreram uma série de derrotas no campo de batalha. Neste mês, eles se retiraram da cidade de Kherson, a única capital regional que capturaram, destruindo a infraestrutura principal enquanto recuavam.

Enquanto isso, promotores ucranianos disseram na quinta-feira que as autoridades descobriram nove locais de tortura usados ​​pelos russos em Kherson, bem como “os corpos de 432 civis mortos”.

Pessoas sentam em um bar iluminado com velas durante uma queda de energia em Lviv.
Pessoas sentam em um bar iluminado com velas durante uma queda de energia em Lviv [Roman Baluk/Reuters]

Leave a Comment