Zhengzhou, China: Manifestantes na fábrica da Foxconn entram em confronto com a polícia, mostram vídeos


Pequim/Hong Kong
CNN Negócios

Trabalhadores da maior fábrica de montagem de iPhones da China foram vistos confrontando a polícia, alguns em equipamento de choque, na quarta-feira, de acordo com vídeos compartilhados nas redes sociais.

Os vídeos mostram centenas de trabalhadores enfrentando policiais, muitos em trajes brancos de proteção, no campus da Foxconn na cidade de Zhengzhou, no centro da China. Nas imagens, agora bloqueadas, pode-se ouvir alguns dos manifestantes reclamando de seus salários e condições sanitárias.

As cenas acontecem dias depois que a mídia estatal chinesa informou que mais de 100.000 pessoas se inscreveram para preencher os cargos anunciados como parte de uma grande campanha de recrutamento realizada para a fábrica da Foxconn em Zhengzhou.

A Apple (AAPL) tem enfrentado restrições significativas na cadeia de suprimentos na instalação de montagem e espera que as remessas do iPhone 14 sejam atingidas assim que a principal temporada de compras natalinas começar. A CNN entrou em contato com a empresa para comentar a situação na fábrica.

Um surto de Covid no mês passado forçou o fechamento do local, levando alguns operários ansiosos a fugir.

Vídeos de muitas pessoas deixando Zhengzhou a pé se tornaram virais nas mídias sociais chinesas no início de novembro, forçando a Foxconn a intensificar as medidas para recuperar sua equipe. Para tentar limitar as consequências, a empresa disse que quadruplicou os bônus diários para os trabalhadores da fábrica neste mês.

Na quarta-feira, os trabalhadores foram ouvidos no vídeo dizendo que a Foxconn não cumpriu sua promessa de um bônus atraente e um pacote de pagamento depois que eles chegaram para trabalhar na fábrica. Inúmeras reclamações também foram postadas anonimamente em plataformas de mídia social – acusando a Foxconn de ter alterado os pacotes salariais anunciados anteriormente.

Em comunicado em inglês, a Foxconn disse na quarta-feira que “o subsídio sempre foi cumprido com base na obrigação contratual” depois que algumas novas contratações no campus da Foxconn em Zhengzhou apelaram à empresa em relação ao subsídio de trabalho na terça-feira.

Os trabalhadores também foram ouvidos nos vídeos reclamando de medidas anti-Covid insuficientes, dizendo que os trabalhadores que testaram positivo não estavam sendo separados do restante da força de trabalho.

A Foxconn disse no comunicado em inglês que as especulações online sobre funcionários que são positivos para Covid vivendo nos dormitórios do campus da Foxconn em Zhengzhou são “claramente falsas”.

“Antes da chegada dos novos contratados, o ambiente do dormitório passa por procedimentos padrão de desinfecção, e somente depois que a premissa passa pela verificação do governo é que os novos funcionários podem se mudar”, disse a Foxconn.

As buscas pelo termo “Foxconn” nas mídias sociais chinesas agora rendem poucos resultados, uma indicação de forte censura.

“Em relação a comportamentos violentos, a empresa continuará a se comunicar com os funcionários e o governo para evitar que incidentes semelhantes aconteçam novamente”, disse a Foxconn em comunicado em chinês.

A instalação de Zhengzhou é o maior local de montagem de iPhone do mundo. Ele normalmente responde por aproximadamente 50% a 60% da capacidade global de montagem do iPhone da Foxconn, de acordo com Mirko Woitzik, diretor global de soluções de inteligência da Everstream, fornecedora de análises de risco da cadeia de suprimentos.

A Apple alertou no início deste mês sobre a interrupção de sua cadeia de suprimentos, dizendo que os clientes sentirão um impacto.

“Agora esperamos remessas menores de iPhone 14 Pro e iPhone 14 Pro Max do que prevíamos anteriormente”, disse a gigante da tecnologia em comunicado. “Os clientes terão tempos de espera mais longos para receber seus novos produtos.”

Até a semana passada, o tempo de espera por esses modelos chegava a 34 dias nos Estados Unidos, segundo relatório do UBS.

A frustração do público tem aumentado sob a política implacável de Covid-zero da China, que continua a envolver bloqueios rígidos e restrições de viagens quase três anos após o início da pandemia.

Na semana passada, esse sentimento estava em exibição quando imagens de mídia social mostraram residentes sob bloqueio em Guangzhou derrubando barreiras destinadas a confiná-los em suas casas e saindo às ruas desafiando as ordens locais estritamente aplicadas.

— Michelle Toh, Simone McCarthy, Wayne Chang, Juliana Liu e Kathleen Magramo contribuíram para este relatório.

Leave a Comment